Páginas

7.9.10

The last mile

Já perto do regresso a casa. Um mês parece muito, mas em Taisho-en, passa num instante. O trabalho, as tarefas, não dão tempo para ver o tempo passar. Por vezes, coisas tão simples como a rega, as ferramentas ou a adubação, transformam-se. Desmultiplicam-se em dezenas de variantes. Pequenos micro-cosmos de saber que variam de dia para dia. Taisho-en é assim. Um sítio que se transforma todos os dias. E isso sente-se. Nas árvores e nos alunos.
Entretanto, chegou um novo estudante. Um espanhol chamado Manoel. O dever do aluno mais antigo presente, no caso eu, é de ajudar e ensinar ao recém chegado “the Taisho-en way”. Assim como o Jarek fez comigo. É nestes momentos que nos vamos começando a dar conta de tudo o que aprendemos. Carradas e carradas de pequenos pormenores de informação. Penas cápsulas de saber que nos transformam. No olhar e no sentir.
Aqui ficam mais algumas imagens de alguns dos trabalhos que tenho feito.

Vários shimpaku grandes. Trabalho de limpeza, aramação e estilização.

Shimpaku - Antes e depois.

Tridente - limpeza e poda.

Goyomatsu - Trabalho com arame grosso.

Goyomatsu - Aramação fina.

Shimpaku - Antes e depois.

3 comentários:

David disse...

Olá João,

Primeiro de tudo deixa-me dar-te os Parabéns, pois imagino que este desafio não tenha sido nada fácil, foi um mês passado sobre pressão e trabalho intenso. Dentro de um desafio maior, muitos desafios pequeninos se colocavam e na minha humilde opinião superaste a maior parte deles...

Se não estiveres farto de limpar madeira morta e ir definindo a veia viva, o convite continua de pé, tenho lá dois bichos grandes à nossa espera :)

Por isso quando chegares apita, para me contares esta aventura em primeira pessoa, num dia bem passado lá no viveiro :)

Abraço,
David

Pedro G C Almeida disse...

Olá João!

Engraçado, já podemos dizer que trabalhámos a mesma árvore! Aquele shimpaku tanuki, o da segunda e terceira fotos, passou-me pelas mãos no ano passado. É um bom tanuki, não é? Foi bom ver a evolução dele, pelo estado em que estava a última intervenção antes de lhe mexeres se calhar foi mesmo a minha.

No ano passado sentia que algo não estava bem nesta árvore. O ramo da esquerda e o da direita estão à mesma altura e isso confunde um bocado a dinâmica da árvore que tem aquele jin grande. Oyakata fez algum comentário em relação a isto? No ano passado a intenção era prolongar o ramo da esquerda e encurtar o da direita, subindo-o ligeiramente. Gostaria de saber o que pensas sobre isto. :)

Mais uma vez, muito obrigado pela partilha, eu sei que não é fácil escrever com regularidade num blog quando se está em Taisho-en, por isso valorizo o teu esforço.

Aproveita bem os últimos momentos e faz boa viagem. :)

Um abraço,
Pedro

João Pires disse...

Olá amigos,

David,
Já cá estou! Um bocadinho abananado com o jat-leg, mas pronto....lol A ver se combinamos;)

Pedro,
Se queres saber a verdade, nem tive quase tempo de olhar para este shimpaku... lol Apanhei esta árvore na fase do "mais depressa!"... Neste caso, foi só limpeza da massa verde. Manutenção e pronto. Cheira-me que Oyakata ainda não tem esta decidida... Olhando assim para a foto e do que me lembro, eu diria que esta árvore, assim que ganhar mais expressão na ramificação primária, vai passar por um "remake" parecido com o que aconteceu com o ápice do último shimpaku do post, ou seja, divisão dos blocos em mais patamares. Especialmente na zona superior. Neste momento, o ápice está muito grande.. tudo está muito redondo e com as mesmas proporções... não há dinâmica... eu diria que será qualquer coisa por aí ;)