Páginas

17.6.10

Fecha-se uma porta, abre-se uma janela


Nota importante: Tinha aqui escrito anteriormente que a árvore portuguesa estava classificada no grupo da frente. Foi uma informação que me chegou, supostamente, vinda de uma pessoa da organização. Isto aconteceu durante a tarde de Sábado. Várias pessoas vieram-me dar os parabéns, entre elas um dos concorrentes que também tinha essa informação. Também tinha a informação que a Espanha era o terceiro lugar (para mim mais do que merecido) mas afinal foi o país organizador: A Suiça. Entretanto, apareceu num forum uma foto de uma folha de classificação afixada no Domingo que contradiz a informação que me tinha chegado. Francamente, não consigo explicar o porquê desta informação e quero acreditar que só pode ter sido um mal entendido. Para evitar confusões, decidi alterar este texto. Peço desculpa aos leitores deste espaço pelo ocorrido.

Fim de capitulo.
Faz agora 2 anos estava eu em Sintra a comprar um pequeno ulmeiro e a começar uma nova aventura que me levou, a uma velocidade estonteante, até ao palco europeu do Bonsai: a Convenção da EBA em Zurique. Daqui para a frente, apesar de ter o título até ao próximo congresso da FPB, o novo talento acabou. Não existem mais provas, não vou concorrer a mais nada.

Sobre a prova.
A tensão era alta. Muito alta. Por mais que que se tenha capacidade de abstracção era incontornavel. Lembro-me do meu colega do lado, ainda antes de começar, perguntar: "Estás nervoso?". Mestres a dar os últimos conselhos aos alunos, presidentes das federações a desejar boa sorte, máquinas fotográficas a disparar... enfim, a coisa era mesmo séria.
O nível era altíssimo. Para se ter uma ideia, o concorrente que ficou em terceiro lugar tinha árvores na exposição principal.
O material era de primeira. Juniperus Itoigawa de viveiro importados do Japão, todos muito idênticos. Não havia espaço para grandes "truques". Quase todos os concorrentes mostraram que conheciam bem as regras: descobrir o nebari, limpar a casca, não deixar jin´s mal acabados, marcar os shari's a fazer no futuro... a coisa passava por, primeiro tomar decisões, depois pelos pequenos pormenores. O relógio corria. De um lado ouvia "Corto ou não? não sei se é a decisão certa..." do outro, o concorrente tentava descomprimir entoando uns "Yop! Yop! Yop!". Mais fotos, mais gente... a certa altura, as decisões estavam tomadas e já não havia nada a fazer. Era tempo para os pormenores. De um lado ouvia "Já não consigo fazer nada de jeito com isto... só espero que acabe rápido..." e alguém que responde "Estás aqui... aproveita!".
Quanto a mim, senti que a coisa até estava a correr bem. Consegui manter a calma e concentrei-me para tomar as decisões. Foi nos pequenos pormenores que senti que podia ter feito melhor. Cobre... arame de cobre. Já tinha trabalhado algumas variedades de juniperus, mas nunca o Itoigawa. Por um lado é muito flexível, por outro é muito resistente. Na aramação média, tive que cortar e voltar a aramar mais grosso pelo menos 2 vezes. Na aramação fina, o arame de alumínio de 1mm não chegava e o tamanho a cima já era impraticável. De facto, o cobre permitia a firmeza na colocação dos leques de massa verde e a este nível a apresentação final fazia toda a diferença. Não serve de desculpa, mas serve de lição.

Sobre o evento.
Sendo a primeira experiência internacional foi, como é fácil de adivinhar, fantástico! Apesar de algumas criticas menos positivas que têm aparecido na net, a exposição estava de facto muito bem montada. Os exemplares, na grande maioria coníferas, eram excelentes e o formato absolutamente inovador. Mas, para mim, o mais marcante foi poder partilhar esses dias com figuras que só conhecia das revistas. A energia da "Scudra Azurra"... Enrrico Savini, Ivo Saporiti e seus pares, partilhar o banco do autocarro com o Thierry Font ou com o John Armitage, "Bom dia Sr. Walter Pall!"... Foi uma sensação única. Sentir-me parte, mesmo que por uns dias, da família do bonsai europeu. Fica o desejo e a intenção de repetir.

De volta a Lisboa e ao meu jardim, olhei para as minhas árvores e, ao contrário do famoso "vou pegar fogo a estes pauzinhos todos", disse: "Rapaziada, toca a crescer! Temos muito trabalho pela frente!"

Principio de capitulo.

P.S. - Um forte abraço para todos os amigos que mandaram mensagens, mails, sms's... Obrigado! Foi bom ler as vossas palavras. Um forte abraço também para os amigos portugueses que estiveram em Zurique. Foram bons momentos! Mandem-me lá as fotos da prova (jpires007@gmail.com) ;)

P.S.1 - Um "Parabéns!!!" reforçado (já que tive oportunidade de dar pessoalmente na gala) ao José Machado e ao pequeno Henrique Machado (que é o dono da árvore) pelo "Merit Award" atribuído pela EBA ao seu Zambujeiro.

6 comentários:

Mário Eusébio disse...

Viva João!

Parabéns pela tua participação! Pelo que "ouvi" dizer tiveste uma excelente prestação e não deixaste o nome de Portugal na mó de Baixo!

Gostei de ler este teu resumo! Agora é para a frente para fazer as árvores que estarão nos pedestais da ribalta num futuro próximo!

Abraço


Mário Eusébio

David disse...

Olá João,

Não tinha dúvidas quanto à tua prestação, sempre acreditei que fosses fazer boa figura com a tua capacidade estética e com isto não quero dizer que ias mostrar carcaça, mas acreditava que ias mostrar sumo e potencial e foi o que fizeste :)

Acho que é preciso ter atenção ao formato dos novos talentos, embora seja um formato "desportivo" interessante apenas testa parte de um "novo talento", pois tal como referiste existiam adversários teus que tinham árvores na exposição principal e certamente essas não foram árvores feitas em 3 horas :)

Acredito que acima de tudo tens de te dar por contente pela experiência e oportunidade e por servires de bandeira à criatividade e isso não tem preço, é uma experiência única :)

Parabéns :)

p.s - 23 continua de pé certo? :)

Abraço,
David

João Pires disse...

Olá Mário e David,

Obrigado pelos comentários!
Foi de facto uma experiência fantástica. Pode parecer "conversa", mas à medida que vou arrumando os pensamentos e os sentimentos destes dias, cresce a sensação que qualquer coisa está diferente... para melhor, claro!

Abr.

João

P.S. - Sim David, 23 continua de pé ;)

Nuno Encarnação disse...

Grande João!

Muitos parabéns por tudo o que conseguiste este ano.

Quando soube que tinhas sido tu que ganhaste o concurso de Novo Talento no Congresso Português, fiquei muito contente porque reconheço em ti grandes qualidades e acho que és efectivamente um dos futuros grandes talentos do Bonsai aqui em Portugal. A tua formação em artes ajuda a teres noções de estética mais apuradas, mas a tua vontade de aprender, a capacidade de trabalho e o à vontade com que tratas com o resto da malta também são pontos a teu favor.

É muito bom saber que o teu trabalho foi bem recebido no conjunto dos participantes no concurso, mas não tinha dúvidas de que ias representar Portugal condignamente.

Pelo que percebi do teu texto, voltas com ganas de te meteres ao trabalho e isso é do que a malta precisa. De pessoal com vontade e capacidade de levar esta cena para o nível seguinte.

Um forte abraço para ti e para o resto da comitiva que te acompanhou, com especial referência para o José Machado pelo seu Zambujeiro (porra, isto já começa a tornar-se um hábito, no ano passado foi o Brandão, este o Zé Machado!!!).

A ver se a gente volta a ver-se pelos ares do Algarve ou pelo meio da Serra de Sintra. Vou tentar ir à vossa exposição, mas ficou agora um pouco mais difícil.

P.S.: Alguém que arranje fotos do concurso para a se ver bem a prestação do João.

Luís Cunha disse...

Olá João,

Muitos parabéns ;)

Estou a ver que a experiência foi fantática!!
É gratificante ler essas palavras, pois apesar de estar de fora fiquei com um nervoso miudinho a torcer por ti!
A maneira como apresentas a tua experência mostra bem o espirito que empregas no teu caminho dentro do bonsai, evoluçao a um nivel estonteante quer a nivel estético quer na maneira como ja te mexes no meio!
É importante adquirirmos esse tipo de experiências vendo material excelente para que possamos evoluir também para esse caminho... e tenho a certeza que aproveitaste muito bem essa pequena estadia =)

Mas fiquei mais descansado por dizeres que não vais queimar nada do que é teu lolol

Falamos brevemente ;)
Grande abraço

Luis Cunha

João Pires disse...

Nuno, Luis, obrigado pelos comentários!

Pois... é como as crianças (esta é mais para o Nuno, que como eu, tem "coisas pequenas lá por casa) os passos dão-se é para frente! Ninguém cresce a andar para trás... pronto, vá... tirando o caranguejo... hehehe
O que importa é andar. E Portugal e os bonsaistas portugueses poderiam fazer o mesmo. Andar para frente. O espaço na Europa está lá. Só temos que o ocupar... Durante estes dias, falei com muita gente que ficava "passada" com as nossas espécies, o nosso potencial, as nossas condições...
Talvez para o ano, o novo talento possa revelar portugueses com valor. Talvez para o ano, esta prova, a meu ver tão importante, mereça mais atenção. A ver vamos.
O Nuno já não se escapa.... hehehe...
E o Luis, mais ano menos ano... vamos ver...

Abr.
João