Páginas

19.8.10

Big Trees

Já parou de chover há uns dias. Agora o sol ficou mais forte e por isso a rega é ainda mais importante. Normalmente, como é “só quando as ávores precisam”, é feita a meio da manhã, ao principio da tarde e depois, uma última vez, de forma muito ligeira e só nas folhas, ao fim do dia.
A luz tornou-se mais intensa. Mais brilhante. É impossível fotografar depois das 8h da manhã. O obturador da máquina parece que “entra em parafuso”. Existem até uma espécie de pala/mascara que os japoneses usam muito para filtra a luz. O próprio calor é mais forte. Oyokata está constantemente a oferecer-nos gelados. “I hate summer” diz ele em tom de brincadeira. É preciso estar constantemente a beber água... a desidratação pode acontecer. É mesmo muito mais cansativo. Por isso, por estes dias, tem sido mais difícil arranjar a vontade para escrever. É que mesmo com o calor, o trabalho intenso não pára.
Por estes dias, continuo de volta dos shimpaku. Outro e mais outro... mas isso é matéria para outro capitulo. É que ainda não consegui tirar fotos do “depois”. Oyokata, apesar de autorizar, já percebi que não acha muita piada às fotos durante as horas de trabalho. Nas horas de trabalho, é para trabalhar. E eu tento respeitar a vontade dele.
Por tudo isto, este blog tem estado, há uns dias, meio de férias. Entretanto, andei para aqui a rever as fotos que já tinha tirado, há procura de alguma coisa... Depois o Márcio falou de uma certa árvore... e depois o Pedro disse “É aquela que está ao fundo na última foto do primeiro post”... bom, estava a guardar mais para a frente, mas vá, vamos então falar disso.
Em Taisho-en, existe uma zona, quem passa a entrada seguindo até ao workshop, do lado direito que Oyokata chama de “Big tree área”. São talvez umas 10 bancadas de árvores. De Shuhin para cima. No fundo, ao lado do workshop de Taiga (filho de Oyocata) está essa árvore. Foi uma das primeiras que procurei no primeiro dia de manhã. “É esta... “. Como diz o Pedro, é muito grande. Mesmo. Terá pelo menos 1 metro. Aqui há um ano atrás, tivemos um belo debate sobre esta árvore. O jin está a mais... talvez mais curto... a madeira morta é um exagero... enfim, o problema, é que estávamos a falar com base numa foto com pelo menos 2 ou 3 anos. A árvore ainda estava a começar a ser feita. Tudo parecia muito exagerado. Agora, ainda não está pronta, mas vejam a diferença. A massa verde, para além de ter agora mais presença, está a começar a chegar mais perto do ten-jin.

Estou aqui a olhar para ela e digo: Não corta nada! Esta árvore é única.
(entretanto este prunus que está na bancada da frente também não é nada mau....lol)

Depois, mais algumas imagens de outros shimpaku (vamos por “famílias” que é mais fácil) que se podem encontrar nesta zona. É muito difícil de fotografar aqui. O espaço entre bancadas não chega. Quando não estão sobre bases giratórias é quase impossível.









4 comentários:

David disse...

Olá João,

É bom ouvir de ti, ai pelo Japão, ainda há pouco estava a perguntar ao Pedro se tinha noticias tuas :)

Quanto à discussão da primeira árvore eu jamais diminuiria aquele Ten Jin, porque é isso que torna aquela árvore única e especial :)

Ainda por cima quando estamos a falar de madeira morta dessa qualidade :) retirar ou mesmo diminuir por mais que seja deve ser sempre muito bem ponderado, pois não se pode voltar atrás quanto a isso e perder detalhes naturais tem sempre muitas questões aliadas :)

Se retirassemos esse Ten Jin esse Junipero por um lado ou por outro acabaria por ser igual a tantos outros que existem no Japão :)

Obrigado pelas fotografias dos Juniperos para mim sabe que os vejo sem pestanejar até os olhos secarem LOL :D

Ao vivo então....deves andar maluco por ai :)

Abraço e força com isso,
David

Márcio Meruje disse...

Em vou-me repitar mas...

AQUELA ÁRVORE É UM SONHO !

Grande abraço João e obrigado por esta magnífica partilha...

Se continuas ainda te peço para me mostrares a parte de trás :D lol !!!


Grande abraço,

Mário Eusébio disse...

Viva João!

Também já me perguntava a mim mesmo se tudo estaria bem, sabes que quem está do lado de cá está sempre á espera, uns dias são uma eternidade!

Fantástico! Os juniperus são execelentes , mas essa prunus , não lhes fica atrás, (eu tenho preferência por folhosas).

Bem, continua a desfrutar que nós vamos fazendo o mesmo, através da possibilidade que nos dás! Obrigado!

Abraço

Mário Eusébio

João Pires disse...

Bom dia amigos,

Tenho escrito menos, porque de facto o cansaço é muito. O clima nesta não ajuda nada. É quase como um exercício de gestão de energia ;)
Estava aqui a tentar tirar as tais fotos do "depois" dos trabalhos que tenho feito com os shimpaku. Para isso, tenho que os tirar da prateleira... Entretanto, Oyocata chegou mais cedo... hoje já não vou conseguir. Fica para amanhã ;)
Mesmo fotografar as árvores grandes de forma a serem perceptíveis para vocês é complicado. Na maioria das vezes tem de ser atrás da bancada seguinte e nesta altura do ano, com as árvores muito cheias é complicado encontrar um bom ângulo. A zona das folhosas é fantástica... mas é quase impossível fotografar uma árvore inteira...lol

Abr.
João